28 de set de 2010

Entrevista com a candidata Mulher Pêra

28 de set de 2010
Por Jefferson Silva em
'Saio de roupinha curta, é meu estilo de pedir votos', diz Mulher Pêra



"Tive o convite e resolvi fazer uma enquete nos bailes funk. Faço shows no Brasil todo. Eu perguntava pra galera se eles tinham em mente alguém pra votar. E ninguém sabia responder. Aí eu perguntei: "se eu me candidatasse, vocês votariam em mim?" Todo mundo me apoiou. Foi aí que começou."

Suellem Aline Mendes Silva, também Mulher Pêra, 23, foi convidada a se candidatar a deputada federal pelo PTN, partido presidido por José de Abreu, dono da antiga rádio Atual, de São Paulo, onde ela recitava poemas de amor.

Assim como Tiririca, a candidata admite: não sabe quais são os ideais e propostas de seu partido.

Mulher Pêra tem como uma das principais bandeiras a diminuição do Imposto de Renda para empresas que contratarem jovens sem experiência. Mas não sabe dizer em quanto o tributo seria reduzido.

Sobre os apoios que tem nessa eleição, cita o marido, que é candidato a deputado estadual, e o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que recomendou voto nela.

Diz que está pagando a campanha do próprio bolso e fazendo corpo a corpo nas ruas. "Saio de roupinha curta, tudo. É o meu estilo de pedir votos".

Por que você decidiu se candidatar?

Tive o convite do presidente do partido, sr. José de Abreu, e resolvi fazer uma enquete nos bailes funk. Faços shows no Brasil todo. Eu perguntava pra galera se eles tinham em mente alguém pra votar. E ninguém sabia responder. Aí eu perguntei: "e se eu me candidatasse, vocês votariam em mim?" Todo mundo me apoiou. Foi aí que começou.

Você procurou o partido ou foi procurada?

Eles que me procuraram.

Como foi?

Eu já conhecia o sr. José de Abreu há muito tempo. Trabalhei na rádio que ele tinha antigamente, a Rádio Atual. Eu recitava poemas de segunda a sábado. Aí depois a rádio fechou, saí... eu conhecia ela há muito tempo. Fiquei amiga dele.

Você falou que recitava poemas?

Isso, trabalhei um ano e meio na rádio.

Que tipos de poema você recitava?

Poemas de amor.

Você já conhecia o PTN?

Não, não conhecia.

Sabe o que o PTN propõe, como se situa na política?

O PTN é um partido pequeno, tem pouco espaço no horário político, tem pouco tempo pra falar. É só isso o que eu sei do PTN. Só isso que eu posso dizer.

Mas você sabe quais são as bandeiras, a luta política?

Não, não sei.

Você não acha que isso seria importante?

Bom, eu tô focada nos jovens. O meu interesse é nos jovens. Tenho vários projetos para os jovens.

Tem algum projeto concreto que você queira levar para a Câmara?

O incentivo do primeiro emprego pro jovem sem experiência. A empresa que contratar o jovem sem experiência terá diminuído o valor do Imposto de Renda. Tem também internet de graça não só nas escolas, como na casa das pessoas. Seria uma forma de tirar aquelas crianças, aqueles adolescentes que ficam na rua se prostituindo, se drogando... seria uma forma de tirar ela das ruas para ficar em casa estudando. Tem também o centro de profissionalização nos bairros e nas grandes cidades. Assim o jovem pode fazer um curso no seu bairro e escolher a sua profissão.

Então vamos por partes. Com relação ao primeiro emprego, já há algum tempo o governo federal tenta incentivar a contratação de jovens que não tem experiência por meio do programa Primeiro Emprego, mas isso não tem funcionado direito. No que o teu projeto...

[interrompendo] Só que eu penso assim, pra cada jovem sem experiência que a empresa contrata, diminui o valor do Imposto de Renda. Isso daí seria ótimo pra empresa.

E você quer diminuir o imposto em quanto?

Em quanto? Aí, peraí, só um minuto. [Vira-se e pergunta para o marido, o radialista Edy Lopes, candidato a deputado estadual]. Então, por enquanto isso daí eu não tenho concreto, não. Os meus assessores é que vão saber explicar melhor.

Quem te assessora na parte legislativa?

Então, eu tô com o meu marido, que é candidato a deputado estadual. Também tem o apoio do senador Eduardo Suplicy [PT-SP]. Inclusive ele gravou até uma mensagem pra eu colocar no meu site pedindo votos para mim. E é isso daí. Tô aprendendo bastante na política.

Do próprio PTN não tem ninguém que te assessore?

Não. Teve a coligação do PTN com o PT, a gente ainda está conversando sobre isso. Por enquanto não posso te falar nada, mas ainda estamos em conversas. [O período para formação de coligações já terminou e PT e PTN estão coligados no Estado de São Paulo].

Quem financia a sua campanha?

Por enquanto não tem ninguém. Tô tirando tudo do meu bolso. Ainda não coloquei a conta do banco no meu site.

Você tem ideia de quanto já gastou?

Ah, bastante, viu? Muito, muito, muito.

Na sua declaração ao TSE aparece um único bem. Um carro Mercedes de R$ 20 mil reais. Isso tá certo?

Isso mesmo. O único bem que eu tenho é o Mercedes. Teve um problema aí com o carro. Eu dei a Mercedes pra um colaborador vender pra mim e ele sumiu com o carro. Agora tô com um carro emprestado.

Era um carro novo?

A Mercedes é nova.

Você diz que pagou R$ 20 mil nela?

Isso.

O que você conhece sobre a atividade de deputado?

Bom, o deputado faz projetos de lei para o governo.

E o que mais?

Bom, que eu saiba é isso. Sinceramente eu nunca gostei de votar. Porque os candidatos, antes de se elegerem, fazem corpo a corpo, falam várias coisas e quando são eleitos não fazem nada pela gente.

Você pretende ser a Mulher Pêra ou a Suéllem na Câmara?

Se eu for eleita, quem vai estar lá é a Suéllem.

E por que você se candidata como Mulher Pêra?

Porque eu sou conhecida como a Mulher Pêra. Inclusive saio nas ruas pedindo votos, fazendo corpo a corpo, como Mulher Pêra. Saio de roupinha curta, tudo. É o meu estilo de pedir votos. Todo mundo só conhece a Mulher Pêra. Através dela vão conhecer a Suéllem.

Quem são os seu espelhos na política?

A Dilma. Inclusive vou votar nela.

O que você conhece sobre a Dilma?

Ela tem ótimos projetos de jovens. Inclusive, falou até dos centros de profissionalização, que é uma coisa que eu concordo com ela.

Você teme o deboche?

Acho que é pelo fato de ser a Mulher Pêra. Mas eu quero mostrar o meu outro lado. O meu lado de pessoa comum, que é a Suéllem. As pessoas pensam: "ah, ela deve sair de shortinho curto na rua". Não. Eu sou uma pessoa normal como qualquer outra. E eu quero mostrar isso para o Brasil inteiro.

Você está com que idade?

23.

Então você votou na última eleição.

Votei, mas nem lembro. Nunca gostei de votar. Os políticos prometem, falam, falam e nunca cumprem nada.

Então você não sabe em quem votou para deputado na última eleição.

Nem me lembro. Mas eu votei no Lula.

Mais alguma coisa que eu não te perguntei e você gostaria de dizer a respeito da sua candidatura?

Você quer que eu cante o meu jingle? Eu acho ele legal.

Como é?

[cantando] "A comunidade diz, vote na Pêra pra ser feliz! A comunidade diz, vote na Pêra pra ser feliz!" Se você puder colocar, eu agradeço.

Como eu te apresento? Como dançarina?

Ah, pode... Cantora. Eu sou cantora.

Matéria publicada na Folha de São Paulo.